Produção audiovisual cresce no Seridó com incentivo do Curta Caicó

58

Seguindo a tendência dos novos tempos, a terceira edição do Festival Curta Caicó, acontecerá de 8 a 16 de agosto próximo e apresenta uma diversificada programação de workshops, oficinas, webinars, debates, homenagens e premiações.

Toda a programação será divulgada no decorrer do mês de julho no site e redes sociais @curtacaico. O evento foi um dos contemplados com projeto no Edital de Economia Criativa do Sebrae-RN e este ano está sendo realizado em formato digital, respeitando os protocolos de prevenção com o distanciamento imposto pela pandemia do Coronavírus (Covid-19).

Os filmes selecionados para as mostras competitivas e paralelas estarão disponíveis no site www.curtacaico.com.br, durante o festival. O evento também realizará diversas atividades formativas. Oficinas de produção de cinema, roteiro, documentário e elaboração de projetos culturais. O apoio financeiro do Edital de Economia Criativa  garantiu a realização das atividades formativas, que serão realizadas 100% em ambiente digital. Além do Rio Grande do Norte, o festival conta com consultoria de realizadores de outros estados, como Paraíba e Pernambuco.

“O apoio do Sebrae foi fundamental para realização dessa edição online. O Curta Caicó já está bem posicionado no mapa do audiovisual nacional e o cinema é uma atividade econômica que está sendo estimulada no Seridó”, explica o diretor do festival, Raildon Lucena,.

Incentivo ao empreendedorismo  

Reconhecida nacionalmente por ser uma região com grande potencial econômico e pelo empreendedorismo marcante, a região Seridó norte-rio-grandense, é famosa pelo bordado que recentemente recebeu o Selo de Indicação Geográfica, e pela produção de bonés, a rica culinária e gastronomia de produtos como a carne de sol e os queijos artesanais, os biscoitos e doces regionais de Caicó conhecidos em todo o País.

O município, cantado em verso e prosa na canção de Chico César “Prosa impúrpura do Caicó”, possui reconhecimento nacional pela realização de grandes eventos, como o carnaval e a Festa de Sant´Ana, considerada Patrimônio Imaterial do Brasil.

O audiovisual também faz parte da história da cidade, que já contou com vários cinemas, entre eles, Cine Rio Branco, Cine Pax, Cine São Francisco e Alvorada, que agitavam o cenário local com grandes lançamentos. E é de Caicó o filme “Boi de Prata”, de Carlos Augusto Ribeiro Junior, segundo longa-metragem produzido na história do RN no final da década de 70. A direção de fotografia é do renomado Walter Carvalho, na época em início da carreira.

Com o fechamento das salas de exibição, Caicó acompanhou a ascensão e queda das vídeolocadoras. Para ver cinema, o caicoense precisava se deslocar mais de 100 KM, até o município de Patos (PB). O audiovisual se tornou algo distante da realidade do caicoense.

Após quase 40 anos da produção de “Boi de Prata”, o audiovisual voltou a ganhar força na cidade com o surgimento do Festival de Cinema Curta Caicó. Os curtas-metragens tomaram conta da tela do Centro Cultural Adjuto Dias, bem como as oficinas de cinema, os debates e as premiações. A primeira edição teve 415 filmes inscritos, número que aumentou para 535 na segunda edição e 662, agora em 2020.

A produção audiovisual regional também vem crescendo nos últimos anos. O festival recebeu apenas uma inscrição em 2018. Esse número saltou de 11 em 2019  para 22, com representantes de nove municípios, em 2020. O audiovisual também ganhou instituições de ensino da cidade, com a realização de oficinas de cinema no IFRN Campus Caicó e escolas estaduais.

O evento é realizado pela Referência Comunicação, empresa que vem se destacando no cenário local com produção cultural de eventos inovadores como o 1º Encontro das Doceiras, Festival Gastronômico e Encontro de Redes Centrais de Negócios. De acordo com o sócio-diretor da Referência, Diego Vale, a economia criativa é importante para o desenvolvimento regional e a vocação do Seridó traz esse respaldo e reconhecimento em âmbito nacional, que é potencializado a partir dessas atividades culturais.

Diretor do festival e sócio da Referência, Raildon Lucena afirma que o festival Curta Caicó é um sonho realizado. “É uma semente que plantamos e estamos vendo germinar. É gratificante realizar atividades formativas e acompanhar o interesse de estudantes e pessoas que vêem no audiovisual uma forma de expressão. De contar suas próprias histórias e narrativas. Para nós é uma grande satisfação e colocamos todo o nosso esforço e energia para realização do festival”, empolga-se.

O Curta Caicó é uma realização da Referência Comunicação com apoio do Edital de Economia Criativa do Sebrae do Rio Grande do Norte. O evento também conta com apoio da Rende Gás, Implarn, Replac e Sesc (RN), além de apoios culturais da Místika, Elo Company, Centro Técnico do Audiovisual, Associação de Críticos de Cinema do RN, Cardume, UERN e IFRN.

Agência Sebrae