Energia Solar ajuda a ampliar competitividade de oficinas de costura

94
Solar Energy concept image.

Com um índice alto de luminosidade natural praticamente o ano todo, o semiárido do Rio Grande do Norte tem as características ideais para o desenvolvimento da energia solar e pelo menos um segmento está aproveitando esse potencial: o setor têxtil. Estimuladas pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, 16 oficinas de costura que participam do projeto de apoio a essas unidades já adotaram a matriz energética fotovoltaica e os empreendedores garantem que a mudança traz economia e aumenta a competitividade e capacidade de reinvestimento do negócio. Atualmente, estado conta com 124 unidades de confecções que produzem peças sob demanda para grandes empresas do setor têxtil, principalmente Hering e Guararapes.

Os empresários que adotaram o sistema fotovoltaico em substituição a energia elétrica fornecida pela companhia energética não se arrependem. “Até agora o resultado tem sido excelente. Estou economizando 200%”, entusiasma-se Joselito Santos, proprietário da JS Silva Confecções, uma oficina que funciona há mais de cinco anos na cidade de Parelhas (distante 246 quilômetros de Natal), na região do Seridó, uma das mais áridas do estado. A conta de energia da empresa estava entre os principais custos e pesava nos cálculos mensais da oficina. Por isso, há pouco mais de um ano, o empresário decidiu apostar na energia solar.