Atividade da construção potiguar reduz queda em maio

72

A Sondagem Indústria da Construção, elaborada pela FIERN, aponta que a atividade do setor registrou queda menos intensa em maio e continuou abaixo do padrão usualmente verificado no período, tendência que se repete initerruptamente desde outubro de 2013.

Acompanhando o desempenho negativo da atividade, o número de empregados também caiu. Além disso, o nível médio de Utilização da Capacidade de Operação (UCO) recuou de 46% em abril para 41% em maio.

O cenário do setor não muda em relação a maio de 2018. Caber registrar, o comportamento oscilante dos indicadores de atividade durante o período da crise que afeta o setor.

Em junho, os indicadores de expectativas da construção em relação aos próximos seis meses apontaram menor pessimismo em todos os aspectos avaliados, a saber: nível de atividade, compras de insumo e matérias-primas, contratação de novos empreendimentos e serviço, número de empregados. No entanto, a intenção de investimento voltou a crescer após três meses de declínio.

Comparando-se os indicadores avaliados pela Sondagem Indústria da Construção potiguar com os resultados nacionais divulgados em 26/06 pela CNI, observa-se que, de um modo geral, as avaliações convergiram no que diz respeito à situação atual e as intenções de investimento. No entanto, as expectativas do conjunto do país em relação aos próximos seis meses aumentaram e continuam acima de 50 pontos, indicando otimismo.