Segmento cultural que vem crescendo e aos poucos começa a despontar nos festivais de cinema, o audiovisual produzido em Caicó foi premiado na Mostra de Cinema de Gostoso e no FINC – Festival Internacional de Cinema de Baía Formosa, ambos realizados entre a última semana de novembro e início de dezembro.

O curta-metragem “P´s”, de Lourival Andrade, que já havia sido selecionado para o Festival Olhar Independente de Curtas da UFRN e o Curta Suzano (SP), recebeu o Prêmio Místika de Finalização em São Miguel do Gostoso e a premiação de Melhor Curta Potiguar, em Baía Formosa. O FINC também premiou “Caicó, Terra de Poesia”, de Raildon Lucena, na categoria Pérolas do RN. Ambos os filmes foram produzidos pela Referência Comunicação.

“P´s”, que é um espetáculo da Trapiá Cia. Teatral, percorreu o Brasil no Palco Giratório do SESC Nacional, foi ovacionado pelo público por onde passava. Com a adaptação para a linguagem audiovisual, a história agora atinge novos públicos nessa adaptação sertaneja do livro “Eu, Pierre Rivière, que degolei minha irmã, meu irmão e minha mãe”, de Michel Foucault.

Já “Caicó, Terra de Poesia” é um curta-metragem sobre as potencialidades turísticas de Caicó com imagens representativas da cidade embaladas pela poesia de Edcarlos Medeiros. A premiação das duas produções, legitimamente caicoenses, é um incentivo para o audiovisual local que aos poucos começa a receber reconhecimento do setor a partir da realização do primeiro Festival de Cinema Curta Caicó, que aconteceu em junho de 2018.

Do festival surgiu o curta “Nomofobia”, produzido na oficina do cineasta paraibano Kennel Rógis, patrocinada pelo SESC, e que também começa a participar de festivais. O último foi o Comunicurtas, na cidade de Campina Grande (PB), onde foi exibido na Mostra Brasil.

Aprovada na Lei Câmara Cascudo, a segunda edição do Curta Caicó foi confirmada para junho do próximo ano e será realizada pela Referência Comunicação. “Estamos finalizando o projeto do próximo Curta Caicó. Com a Lei de Incentivo Cultural da Câmara Cascudo em mãos, vamos buscar apoio para realizar o evento que terá oficinas de audiovisual, mostras competitivas, homenagens e grande programação cultural”, ressaltou Raildon Lucena, idealizador do festival.

Ele conta que além de Caicó, o Seridó registra um crescimento na produção audiovisual com realizadores independentes nas cidades de Currais Novos, Jardim do Seridó, Lagoa Nova, Florânia, entre outros. “O Seridó, como um todo, começa a despontar no cenário de produções audiovisuais e isso é importante para a cadeia produtiva regional. A nossa região é rica em narrativas e o cinema é uma ferramenta importante para contar essas histórias”, afirmou.