O município de Vera Cruz, integrante da Região Metropolitana de Natal e distante 40 km da capital potiguar, deverá receber o quarto aterro sanitário do Rio Grande do Norte. Uma audiência pública, na próxima segunda-feira, 5 de novembro, vai discutir a implantação do empreendimento para destinação de resíduos sólidos de origem domiciliar oriundos de pelo menos seis municípios potiguares.  A audiência coordenada pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do RN (Idema) será na Câmara Municipal de Vera Cruz, a partir das 9h.

A Vera Cruz Ambiental, empresa responsável pelo empreendimento, fará a apresentação do projeto e dos estudos desenvolvidos para obtenção da licença ambiental do aterro sanitário, que vai ocupar uma área total de 50,2 hectares e terá vida útil de 20 anos.  O centro de tratamento vai ficar a três quilômetros  de Vera Cruz e a um quilometro da RN-160, via de acesso às instalações.

Além de Vera Cruz, o aterro sanitário poderá atender aos municípios da Região Agreste e Litoral Sul.   A implantação da unidade vai possibilitar a desativação dos lixões dessas localidades, cessando a contaminação dos aquíferos e águas superficiais, a presença de animais e pessoas catando lixo, bem como a queima de resíduos a céu aberto, contribuindo para uma melhor qualidade sanitária e ambiental da região.

Para a escolha do espaço foi realizado um amplo estudo de alternativas locacionais em toda Região Metropolitana de Natal, doze áreas foram avaliadas pela equipe técnica.  Entre os fatores analisados estavam a capacidade de suporte do solo, proximidade de núcleos habitacionais e corpos d’água, aquífero subterrâneo, permeabilidade do solo, segurança dos aeroportos, entre outros.

A tecnologia e área escolhidas adequam-se de forma a impactar na menor intensidade possível, dentro dos parâmetros ambientais exigidos, garantindo segurança ambiental a toda região.

Além da área de aterramento dos resíduos, o aterro sanitário terá uma estrutura de isolamento com cercas e telas de proteção, prédio administrativo, auditório para visita de estudantes e das comunidades, oficina, sistema de monitoramento das condições ambientais, contando também com uma estação meteorológica e poços para acompanhar a qualidade das águas subterrâneas.

O empreendimento, atendendo ao Código Florestal, contará com uma área de reserva legal de mais de 100.000 m², o que permitirá a preservação e proteção das espécies da fauna e da flora durante os 20 anos de funcionamento. Passado esse período, o terreno pode ser utilizado como área verde ou para fins esportivos, de lazer e uso agrícola.

Para desenvolver este empreendimento, a Vera Cruz Ambiental vai priorizar a utilização de mão de obra das comunidades do entorno, bem como a aquisição dos insumos para o seu funcionamento como combustíveis, alimentação e fardamento, gerando uma circulação de R$ 242 milhões de reais na economia da região, além de R$ 12 milhões em impostos municipais ao longo da sua vida útil.