O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) permitiu pela primeira vez que eleitores e candidatos utilizem o nome social, de acordo com o gênero com o qual se identificam (masculino ou feminino).

De acordo com portaria que regulamentou a questão, o nome social deverá ser composto por prenome, acrescido do sobrenome constante do nome civil, e não pode ser ridículo, irreverente, ou atentar contra o pudor.

Nos dados do TSE há 28 candidatos registrados com nome social. Dezessete concorrem ao cargo de deputado estadual, dez a deputado federal, e um a senador